Skip to content

saí da missa e fui ver “Kill Bill”

12 de outubro de 2010

photo by Redsinestesia(ou seja, eu)


Cada frasco de esmalte tem 8ml…
8ml parece pouco,né?
Mas se você fosse obrigado a tomar um vidro desses…
Seria muita coisa.
Ou seja…
Tudo é uma questão de ponto de vista
A minha parte preferida do Kill Bill pode não ser o sangue
E o seu esmalte preferido pode não estar na foto
Não que isso tenha a ver com o assunto
Mas é tudo uma questão de ponto de vista.

SEIS

2 de outubro de 2010

o único capítulo restante, o mais mal escrito, de um livro jogado fora.

I guess this time
you’re really leaving

o que há de melhor no mundo comparado a esse conforto de estar nos braços dele? “é, eu sei que é tosco mas eu gosto de Bon Jovi” que vergonha, pra que foi tocar justo isso justo agora?

I heard your suitcase
say goodbye

“eu também gosto” ele tá rosando. o que eu to dizendo? do que a gente ta falando? musica, bon jovi, antigo, i’m spinning.

and as my broken heart
lies bleeding

do que estamos falando?

you say
true love is suicide

“que horas são?” “já fazem 10 minutos.”

you say you’ve cried
a thousand rivers

eu sei, não há nada melhor. minha mão gelada entre as mãos quentes dele, como estávamos sábado passado.

and now you’re swimming
for the shore

do que estamos falando? sinto a respiração dele.

you left me drowning
in my tears

“o professor já deve ter entrado”

and you won’t save me
anymore

“é”

I’ll pray to god
to give me one more chance, girl

“então a gente fica”

I’ll be there for you
these five words I swear to you

“é”

when you breathe
I wanna be the air for you

“então a gente fica”

I’ll be there for you

“é só um cara, e tem tantos caras”

19 de agosto de 2010

minha vida deu uma volta de uns.. 45º. é, eu já tinha o caminho. ele só andava meio.. desviado. sabe? ainda presto vestibular, ainda quero medicina. é que antes tinha o fator desviante (você percebe que o cursinho te consome quando pensa em uma matriz com senos e cossenos multiplicando sua vida para desviá-la), o.. CARA.

parecia ser o primeiro e último, e o único. mas era só mais um.

hoje, depois do fim, pareço mais centrada, menos preocupada com as satisfações e os problemas que não eram bem meus. é claro que agora, só, vieram problemas novos. aqueles problemas do só ter a si quando não se lembra mais de como é essa circunstância. com o fim, é claro, vieram todas as expectativas de novos começos. direções diferentes, fins diferentes. mas depois de um tempo todos eles pareceram desnecessários, ultrapassados, sem sentido. talvez eu quisesse mudar, mas não absolutamente. nesse período eu descobri, finalmente, fatalmente, que não sou suficiente.

não desejo o meu primeiro único de volta. ele passa bem, obrigado, com sua nova namorada. hoje em dia isso pouco me incomoda, também. o que eu desejo é alguém. não importa bem quem (ou talvez importe, mas não vem ao caso), é aquela necessidade do sentimento em si. a saudade de sentir saudades, da sensação boa de saber que existe alguém por você, a vontade de não ser só. pelo menos não agora..

tantos caras. caio fernando abreu disse:

“Ainda outra vez tocarão teus seios, lamberão teus pêlos, provarão teus gostos. E outra mais, outra vez ainda. Até esqueceres faces, nomes, cheiros. Serão tantos. O pó se acumula todos os dias sobre as emoções.”

não poderia existir maior verdade. eu procurei, sim, em outros corpos encontrá-lo. a minha desgraça, na verdade, foi conseguir em partes. mas eu.. perdi o jeito. sobrou só o molejo do amor machucado. a insuficiência, e a solidão..

queria bastar pra mim.

like a little king

31 de julho de 2010

Uma nova noite de danças sem sentido
Sempre a mesma pergunta
Que vai e volta na asa da andorinha sem vôo
Os olhos me chamam e eu pergunto sobre você.

Sussurros não claros
Aos fundos da música dos ventos
Disseram-me que já sabia por quem chamavam
Por mim e mais ninguém.

Então foi você quem negou tudo?
Te ouvirei por toda a eternidade cantando
Gritando pelas mãos sangrentas
Com a culpa de martelo ao ver minhas lágrimas.

Se é certo, responda-me o motivo
De parecer sempre tão triste.
Nos olhos encarnados um tédio eterno
Que não morre e nem muda de rumo.

bannwart

6 de julho de 2010

Vide ao encontro de céus de flores azuis dourados
Tateando por uma sinfonia única e qualquer
De dois virgens anjos por solidão apaixonados
Gritou pelo rosto de um único traço vivo despedaçado.

Soando como tombo de criança nascida no outono
Desencadeando livres pensamentos de uma fruta não madura
Machucando a boca de santos de paladar suave
Eternamente dançando como formiga em dia de chuva.

Se tocando os desesperados filhos de injusta mãe
Degustando o que lhe serviria um pedaço de alma
Cantando como fada em angústia sã
Sem resolver os problemas se indaga feliz e triste.

Daniela Fialho

14 de junho de 2010

Quando a conheci cabelos longos ela tinha
Uma foto eu tirei numa festa junina
Tesouras se sopraram e curto o cabelo ficou
Levei um susto com essa menina.

Ligeiramente doce e elegante
Que comigo aguardava pelo sorvete
Aquele perto do colégio massante
Meio dia e quarenta que nunca chegava.

Nas carteiras ela desenhava
As duas riam na aula do Azeitoninha
Piada infâme era o que não faltava
Terceira e quarta carteira da última fileira.

Enroladinho de pizza era todo dia
Uma coca-zero sempre acompanhando
Já eu tomava mokaccino
Até derrubar tudo numa aula do Enzo.

As discussões sobre carreiras e sonhos
Coisas que morro de saudade
Elogios e críticas trocávamos
Sem inveja e com sinceridade.

Meigas lembranças me abraçam todo dia
Talvez você saiba quem é ela
A moça dos desenhos
Aquela Daniela.

bem-te-vi

13 de junho de 2010

Bem-te-vi:
Minha Senhora
É tão triste vê-la chorar
Já me basta ouvir a lamúria da chuva
Peço que fique em silêncio
Sem seu riso já não posso dormir
Me diga que não é aquele rapaz
O da escuridão nos cabelos
Aquele que não é bonito
O que lhe arrancou a vida
E com o coração lhe comeu a Alma.

Moça:
Já passaram das três da tarde
Vá embora, doce bem-te-vi!
Já não aguento pensar em seu nome
Pare de cantar em frente a alma diurna
Peço que fique em silêncio
Aquele rapaz que não é bonito
Mande-o para o inferno
Que se apaixone por lá
Suas asas levariam minha lamúria?
Se não, vá embora e deixe-me chorar.

Bem-te-vi:
Nos olhos dele se encontra a delicadeza da noite
Talvez isso seja verdade
Talvez você esteja enganada
Talvez ele não exista como você o vê
Talvez sejam todas essas coisas
Sendo assim, talvez você o ame
Apenas isso.

Moça:
E não mandei ir embora?
Por qual motivo me azucrina, demônio?
Não quero me lembrar dele
Nem agora nem nunca
Não.

Bem-te-vi:
És ainda muito fraca
Dizem que só se ama uma vez
Se realmente amou esse homem
Ferrada você está.

Eu:
Todos os meus dias
Em todos eles é isso que me acontece
Tirando o bem-te-vi
Tirando a moça
Tirando o rapaz
Ou seja
Não me acontece nada.